Publicado por: Ap. Antonio Bueno | 28 de abril de 2011

ASPECTOS PRÁTICOS DA VISÃO EM CÉLULAS

By Edvaldo Barbosa

1- Conhecendo a Visão

2- Implantando a Visão

3- Funcionamento das células de Evangelismo

1- CONHECENDO A VISÃO

A) Introdução e base bíblica

A visão em células nasceu no coração de Deus, resgatando as características da Igreja Primitiva, que não se resumia a quatro paredes, não se reunia somente em templos, mas em casas e que era dinâmica,  movia-se incansavelmente, direcionada pelo Espírito Santo.

Cada casa é uma igreja, cada crente um evangelista. (At 1:1 a 2:41, At 2:46-47, At 5:42, At 10:1-48, At 12:9-17, At 16:40, At 20:7-12, At 20:20, At 21:8-14, At 28:16,23,24,30 e 31, Rm 16:3-5, 14,15 e 23, I Co 16:19, Cl 4:15,At 19:8-12).

A visão resgata o papel do sacerdócio, descentralizando as funções do Pastor Presidente e desenvolvendo novas lideranças. Tem-se uma preocupação constante com o Evangelismo pessoal, feito de forma direta, com aquelas pessoas que nos cercam e que fazem parte do nosso dia-a-dia.

Trata-se de uma adaptação da Igreja às modernidades do nosso tempo, utilizando os recursos que temos hoje nos meio de comunicação como telefone, rádio, TV, fax email, etc.

B) Escada do Sucesso

A visão em células é fundamentada em quatro etapas distintas que são: ganhar, consolidar, treinar e enviar, exemplificadas no quadro a seguir:

GANHAR

CONSOLIDAR

DISCIPULAR

ENVIAR

Oração por Três

(30 dias)

Fonovisita em 24 horas

Escola de Líderes

Montar sua própria equipe de Encontro

Jejum por três

(30 dias)

Contato Pessoal em 7 dias

Grupo de 12

Ter sua própria Escola de Líderes

Evangelismo Pessoal

Pré-Encontro

Formar suas células de Multiplicação

Conquistar Cidades

Células de multiplicação

Encontro

Formar seus 144

Conquistar Nações

Cultos de Celebração

Pós-Encontro

Redes Homogêneas

1º- Ganham-se vidas por meio do evangelismo pessoal, por meio das células de multiplicação e através dos cultos de celebração. Todas as pessoas, quer sejam ganhas nas células ou nos cultos, ou nas reuniões de redes, deverão preencher uma ficha de consolidação (vide anexo), para que seja cumprida a etapa seguinte. A oração e jejum por três são uma estratégia fantástica para auxiliar neste processo de multiplicação, pois de fato, são quebradas fortalezas e definidos alvos a curto prazo, dando excelentes resultados. Na visão em células não existe um grupo de evangelismo, todos são evangelistas em potencial (Is 61:1).

Consolidam-se as vidas através da fono-visita em até 24 horas após a visita à igreja, através de visitas onde se compartilha a Palavra de Deus (ver manual de Consolidação) e principalmente através do Encontro face a face. Rapidamente veremos a necessidade da criação de uma equipe de consolidadores, que deve ser bem treinada. Deve-se evitar que a consolidação gere um sentimento de sufoco por parte do consolidado. Tudo deve ser feito de forma espontânea e à medida que ganhamos a confiança do novo convertido. O consolidador deve estar devidamente identificado na igreja, atento aos visitantes e orando e intercedendo durante o período do culto. Ninguém visita hoje uma igreja em células sem que tenha o seu nome registrado na ficha de consolidação. É uma estratégia que nos permite fechar a porta dos fundos. Se alguém aceita Jesus em nossa igreja, Deus quer que aquela vida frutifique ali, onde ela foi plantada.

Treinam-se as vidas através da Escola de Líderes. A Escola de líderes difere da Escola dominical porque é um curso que tem um início, meio e fim. Funciona como uma escola mesmo, com Diretores, secretárias, professores, freqüência, provas, avaliações, trabalhos (principalmente práticos, como visitar alguém ou fazer um protótipo da célula em sua casa). Sugere-se o material do MIR de Manaus .

Enviam-se as vidas quando já estão preparadas para dirigirem suas próprias células de multiplicação. Quando a célula chega ao ponto de multiplicar, o líder não precisa nem ser escolhido. Ele já se destaca dos demais e tem aceitação de todos os componentes da célula. No caso de ter que escolher, deve-se orar para que Deus dê a direção certa.

2- IMPLANTANDO A VISÃO

A) O Encontro e a formação dos grupos de células

O primeiro passo para se implantar a visão com sucesso é o comprometimento de toda a liderança da igreja e a disposição em passar todos pelo Encontro face a face. Deus realmente quer derramar uma unção nova em nossas vidas, porém um odre velho não suporta vinho novo. Por isto a importância de passar pelo Encontro (que é um retiro para novos convertidos) toda a igreja.

I- O Pastor Principal e a sua esposa passam pelo Encontro e ficam sabendo a respeito da visão em células. Após voltar do Encontro, o Pastor reúne os homens da sua liderança e passa a compartilhar com eles sobre as bênçãos recebidas nos três dias e na importância deles também estarem no Encontro, sem, no entanto revelar as surpresas ocorridas. Esta reunião do Pastor com a sua liderança é a chamada Célula matriz.

II- O Pastor e a Pastora encaminham seus líderes para o Encontro, que deve ser impecável, pois será referência para que eles ministrem seus próprios encontros futuramente. Depois que os líderes voltarem do Encontro, eles irão compartilhar a experiência na célula matriz, podendo também dar alguns testemunhos à frente da igreja, para que incentivem outros membros a passar pelo Encontro.

III- Cada líder que passou pelo Encontro deverá fazer ingressar na Escola de Líderes (extensiva ou intensiva, conforme opção do Pastor) juntar-se a mais 2 ou 3 irmãos da Igreja e formar em sua casa as Células de Evangelismo, onde deverá ser compartilhada a experiência do Encontro, bem como se iniciar a oração intercessora dos membros da célula por três nomes que cada um vai ter como meta para ganhar para Jesus. O mesmo procedimento que o Pastor fez com os líderes (envia-los ao Encontro), estes farão com os demais membros da igreja. Desta forma, o número de líderes da Igreja deverá ser também o número de grupos de células que darão início ao processo de celularização na Igreja.

IV- Todas as semanas haverá portanto duas reuniões no mínimo, que será a reunião da Célula Matriz (O Pastor com seus líderes e a Pastora com suas líderes) e as reuniões nas Células de Evangelismo (Os líderes e os demais integrantes da célula). É importante que neste momento da celularização haja envolvimento de toda a igreja, não só dos líderes, mas também dos demais membros, os que passaram e os que não passaram ainda pelo Encontro. A intenção é de que a transição seja feita com êxito e que não haja perda de nenhum dos membros. Quanto aos que são resistentes à visão, devemos ser pacientes e não descarta-los, afinal é algo novo e que precisa de tempo para ser aceito pelos crentes veteranos.

V- Nas reuniões da Célula Matriz deverão ser feitos relatórios do funcionamento das células, das bênçãos recebidas, das almas que se acrescentam ao corpo de Cristo, das dificuldades encontradas, etc. É um momento em que o Pastor irá ministrar a visão da igreja aos líderes, incentiva-los e orienta-los quanto às diversas situações ocorridas nas células e traçar metas a serem alcançadas num determinado intervalo de tempo. A reunião de Célula Matriz é também aonde os líderes de células compartilham experiências e são edificados.

3 –   CÉLULAS DE EVANGELISMO

A) As características e o papel do líder de células

O líder deverá ser:

1 – Pontual

2 – Asseado

3 – Paciente

4 – Submisso

5 – Ensinável

6 – Exemplo para os discípulos em tudo

7 -Ter vida de oração e santidade

O papel do líder – Dirigir as reuniões de forma agradável, sem deixar que o assunto se desvie e que passe do horário previsto para o término. Reuniões muito longas correm o risco de provocar uma demanda dos participantes. É importante ter um horário para começar e para terminar. Qualquer problema que surgir na célula (espiritual, emocional, financeiro, etc.) deverá ser resolvido pelo líder. Quando estiver fora do seu alcance deverá ser passado para o Pastor da igreja.

Funcionamento das células – O desenvolvimento das reuniões deverá ser objetivo, sem rodeios. Deve-se deixar que as pessoas participem, não só o líder fale. A mensagem deve-se ser levada em tom de conversa, não de pregação. A linguagem deve ser simples, mostrando Jesus como solução para todos os problemas. Cada reunião deve-se ter a preocupação em levar visitantes. Esta preocupação deve ser de todos os componentes da célula, não só do líder.

Composição da célula:

Um anfitrião – aquele que empresta sua casa para as reuniões; (At 10:24)

Um líder – Quem dirige a reunião; (At 10:44)

Co-lider – Aquele que na ausência do líder dirigirá a reunião e que na multiplicação será o novo líder; organizará a parte burocrática, como fichas de consolidação, datas de aniversário, transporte, etc.

Objetivo das Células

O objetivo das células é totalmente evangelístico. Durante muito tempo vários cristãos se escondiam por trás de um falso avivamento, que não mostrava seus frutos. Na célula fica mais fácil definir quem está produzindo ou não, diferente do que ocorre na igreja, onde muitos se apóiam no trabalho de outros. Os chamados grupos familiares, que a princípio tinham este objetivo, acabaram se transformando em reuniões de comunhão entre os irmãos apenas. O “Culto no lar” também não cumpriu o papel, pois notávamos que nunca tinham visitantes, limitando-se apenas à pessoas já salvas. Os grupos celulares resgatam o evangelismo de forma inovadora e eficaz, quando as reuniões são feitas exclusivamente para os não salvos.

About these ads

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: